Other stuff ->

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Ferramentas de Trabalho Maçonaria

 Uma pergunta interessante na Maçonaria, caso se queira faze-la sobre as "ferramentas de trabalho", seriaquando essas ferramentas foram introduzidas no Ritual das Lojas Simbólicas?


Nós sabemos que temos diversos Ritos em todo o mundo e os Rituais, apesar de semelhantes tem pequenas diferenças. Vamos tomar por base o "Emulation Ritual".


Para responder essa pergunta temos que considerar o passado histórico do Ritual e da Ordem Maçônica, em geral.


A Maçonaria nos tempos operativos (vide Maçonaria Operativa – Pílula Maçônica nº13) pode ser acompanhada na Inglaterra, através dos registros de seis séculos passados, voltando-nos ao Manuscrito Régius de 1390 e ao Manuscrito Cooke de aproximadamente 1420 (videPoema Regius - Pílula Maçônica nº 81).


Não há nenhuma evidência que os Maçons Operativos aplicavam "lições de moral e ética" baseadas ou relacionadas com seus instrumentos de trabalho.

Apesar de que há diversos registros das ferramentas de trabalho dos Maçons, porém, como ferramentas propriamente ditas, não há nenhum registro de que fossem usadas nos Cerimoniais das Lojas, como Símbolos ou algo semelhante.


Até 1650, as Cerimônias de Admissão (nossa atual Iniciação) parecem ter sido constituídas somente de uma leitura dos "Deveres" e um "Juramento de Fidelidade" à Loja.


Aparentemente, a mais antiga evidencia que nós temos, vem de um manuscrito de 1696 denominado "Registro da Loja de Edinburgh". Contém uma passagem que menciona ferramentas: "... eu juro por Deus, por São João, pelo Esquadro e pelo Compasso, e ...".


De 1730 a 1813 o aparecimento das "ferramentas" nas Instruções Maçônicas, cresceu paulatinamente, com influência da Maçonaria francesa que sempre foi tremendamente esotérica. É importante que se diga, que a moderna divisão das ferramentas de trabalho dentro dos três Graus das Lojas Simbólicas foi puramente arbitraria.


O Simbolismo se tornou proeminente dentro da Maçonaria em tempos comparativamente recentes, e muitos dos Símbolos foram adquiridos em locais externos.


Enquanto a Maçonaria Operativa pode ser traçada dentro de até 600 anos atrás, aproximadamente, o Simbolismo Maçônico está entre 200 a 250 anos somente. Os ensinamentos utilizando as "ferramentas de trabalho" também estão dentro desse período.

 

M.'.I.'. Alfério Di Giaimo Neto

Mar de Minas

Gente, sempre perguntam, Minas tem mar? E a resposta é sempre não!

Não até agora (ou recentemente agora, de novo, mais uma vez), já que o Governo de Minas comprou uma faixa de 12 quilômetros de terra em volta da ferrovia Minas-Bahia, que saía de Araçuaí e chegava em Caravelas, na Bahia, pagos com Títulos de Dívida Pública, 300 contos de réis, e que fazem, por direito, o mineiro ter uma praia pra chamar de sua.

Mas a polêmica vem de muito tempo atrás, desde 1910, quando as terras foram adquiridas (e pagas) do Governo Baiano, mas acabaram não sendo exploradas - típico dos governos do Brasil...

E nos anos 40, Minas indagou ao Governo Baiano sobre essa compra, fato que não teve resposta desde então.

E agora, a polêmica volta, e sai em todos os jornais!

Agora, uma força tarefa está a investigar a celeuma, e quem sabe o que vai dar...


Vai acabar com o lema: Minas não tem mar, vai pro bar!!!

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Escada de Jacó e Escada em Caracol

 

Apesar das duas serem Símbolos Maçônicos, e se tratar de escadas, na verdade, são bem distintos um do outro.


A Escada de Jacó é um Símbolo Iniciático, com forte caráter religioso, é usado em outras Ordens inclusive religiosas. A Maçonaria, apesar de não ser uma religião, a utiliza na Simbologia, para transmitir seus ensinamentos.


Ela se se origina na Bíblia, referindo-se ao sonho que Jacó, filho de Isaac e de Rebeca e irmão de Esaú, teve um dia, no campo. Lá diz que, Jacó temendo a cólera de seu pai, pois havia comprado os direitos de primogênito de Esaú, seu irmão, fugiu para a Mesopotâmia. No caminho, em Betel, enquanto dormia com a cabeça apoiada numa pedra, sonhou com uma escada fixa na terra e a outra extremidade tocando o céu. Por ela os anjos subiam e desciam e ele ouvia Deus dizendo que sua descendência seria extremamente numerosa. Obviamente, pode-se dar inúmeras interpretações a esse sonho. Vai depender somente da nossa imaginação.


A interpretação que a Maçonaria dá para essa lenda é de que o conhecimento de todas as coisas é adquirido de forma gradual, como se estivéssemos subindo uma escada, degrau por degrau. Aparentemente isso parece ser fácil, mas não é. Exige sacrifícios, constância e persistência. Aliás, pensar que tudo é muito fácil, é uma característica do ser humano.


Conforme Nicola Aslan (Grande Dicionário Enciclopédico de Maçonaria), esse símbolo está contido no painel do Grau de Aprendiz, com sete degraus, representando as sete virtudes cardeais: Temperança, Fortaleza da alma, Prudência, Justiça, Fé, Esperança e Caridade. Ë comum, pois, depois da Iniciação, dizer-se que o Aprendiz subiu o primeiro degrau da Escada de Jacó, ou seja, deu o primeiro passo no caminho de seuaperfeiçoamento moral.

A Escada em Caracol, como o próprio nome diz, é uma escada em espiral, e é o Símbolo do Companheiro. No Grau de Companheiro é onde o Obreiro adquire o máximo de conhecimentos, e isso é típico desse grau, preparando-se para entrar no Grau de Mestre.


Simbolicamente, nesse grau, ele deve girar em torno de si, absorvendo tudo a sua volta e atingindo, além disso, níveis superiores, cada vez mais aperfeiçoados. Assim, ao atingir o Grau de Mestre que é o esplendor da sua carreira maçônica, o Obreiro poderá começar a transmitir seus conhecimentos adquiridos, ou iluminar, clarear, a mente dos novos Aprendizes e de todos com os quais convive. Ser Mestre Maçom não é ser o dono da Verdade! Mas é ser dono da própria vontade e buscá-la, sem esmorecer e mostra-la ao mundo.


 

M.'.I.'. Alfério Di Giaimo Neto

Decálogo da Maçonaria

 

Para este ano de 2013 que começa hoje, após a não ocorrência do "fim do mundo" em 21/12/2012, nada melhor do que algumas lições (mandamentos) de moral, ética e boa conduta, servindo para Maçons ou profanos.


Este Decálogo foi extraído de livros de origem inglesa, que, por sua vez, aparentemente, devem ter se baseado nos "Dez Mandamentos" da Bíblia, quanto ao número e forma, porém, na verdade, são bem mais do que "10 lições".


Coincidentemente, no dia 29/12/2012 o Ir.V.A Anibal da ARLS Cavaleiros Templários, lançou um texto na Internet com este assunto, bem mais longo que esta Pílula, extraído do livro "Moral e Dogma" de Albert Pike, americano. Não sei dizer se os autores ingleses se basearam em Albert Pike, ou vice versa. Obviamente, devido traduções por pessoas diferentes, em épocas diferentes, as palavras são diferentes mas o sentido é o mesmo.


I – Deus é a sabedoria eterna, onipotente e imutável, suprema inteligência e inextinguível amor. Deves adorá-Lo, reverenciá-Lo e amá-Lo. Praticando as virtudes, muito O honrarás.


II – Tua religião consistirá em fazer o bem, por ser um prazer para ti e não unicamente um dever. Constitui-te em amigo do homem sábio e obedece aos seus preceitos. Tua alma é imortal, nada farás que a desagrade.


III – Combaterás, incessantemente, todos os vícios. Não farás a outrem o que não queres que te façam. Deverás ser prudente com a Fortuna e conservar sempre vivo o fogo da Prudência e da Sabedoria.


IV – Honrarás a teus pais, respeitarás e tributarás homenagens aos anciãos de vida passada ilibada. Instruirás e orientarás os jovens.


V – Honrarás tua mulher e filhos. Amarás tua pátria e obedecerás suas leis.


VI – Teu amigo será, para ti, tua própria imagem. O infortúnio não te afastará de seu lado. E farás, por sua memória, o que farias por ele em vida.


VII – Evitarás e fugirás de amigos falsos, assim como, quanto possível, dos excessos da vida. Temerás ser a causa de uma mancha em tua memória.


VIII – Não permitirás que as paixões te dominem. Obterás, das paixões dos demais, lições de proveito para ti mesmo. Serás indulgente com o erro, mas não permissivo em excesso..


IX – Ouvirás muito, falarás pouco e trabalharás bastante. Olvidarás as injúrias, darás o bem em troca do mal, não abusarás de tua força ou superioridade.


X – Estudarás o conhecimento dos homens. Buscarás sempre as virtudes. Serás justo. Evitarás a ociosidade.


 

M.'.I.'. Alfério Di Giaimo Neto

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Justiça Brasília de Minas - Que isso hem?


Rituais De Molay

Jovens discretos que se reúnem em templos maçônicos, se vestem com capas e ternos negros, reconhecem-se por sinais e praticam rituais secretos. Afinal, quem são eles?


A Ordem DeMolay é uma organização ritualística, secreta e juvenil, patrocinada pela Maçonaria e voltada a jovens do sexo masculino de 12 a 21 anos de idade. O aperfeiçoamento moral e intelectual vem por meio de estudos, palestras e da realização de cerimônias ritualísticas, dando a oportunidade do jovem ouvir e ser ouvido.
Toda reunião da Ordem é iniciada com a lembrança de sete virtudes cardeais e indispensáveis para a formação do "verdadeiro DeMolay". São elas: amor filial, reverência pelas coisas sagradas, cortesia, companheirismo, fidelidade, pureza e patriotismo.


A Ordem é dividida em graus. O primeiro deles, denominado de grau iniciático, possui um cunho de aprendizado e é conferido ao candidato que ingressa na sociedade. O estágio seguinte é chamado de Grau DeMolay, somente dado aos jovens que absorveram os ensinamentos do grau um. É um grau que atribui maior responsabilidade do jovem para com a organização.


Essa sociedade foi criada pelo maçom Frank S. Land nos Estados Unidos, no ano de 1919, e trazida para o Brasil pelo maçom Alberto Mansur no ano de 1980, com a fundação do primeiro Capítulo na cidade do Rio de Janeiro. A organização vem crescendo de forma avassaladora no Brasil desde a década de 80. Atualmente todos os estados do Brasil possuem um ou mais capítulos DeMolay.


Para Renato Vicente, acadêmico de Direito e que entrou para a Ordem aos 15 anos de idade, "a filantropia e o ajudar o próximo sem precisar se identificar" foi um dos pontos que lhe chamaram a atenção. "Para fazer parte precisamos ser indicados por alguém", explica ele, "após essa indicação recebemos uma visita em casa, para apresentar a Ordem e conversar com os pais. Em seguida, meu comportamento foi avaliado e comecei a fazer parte das reuniões". Aos 24 anos, Vicente é hoje DeMolay sênior, Maçom e Grande Secretário Estadual Adjunto do Grande Conselho Estadual nº 01. Conforme ele, em Rio Grande já foram iniciados cerca de 150 jovens e que em cada reunião participam cerca de 20 membros. Vicente já foi Mestre Conselheiro, Mestre Conselheiro Regional, Membro do Conselho do Capítulo de Rio Grande e Lorde, além dos cargos que hoje ocupa.


Ao atingir a idade de 17 anos, o DeMolay pode ser sagrado cavaleiro. A Ordem da Cavalaria é uma organização que atua paralelamente ao Capítulo e seus membros reúnem-se em conventos de nobres cavaleiros. A Ordem da Cavalaria também possui dois graus: o Grau de Cavaleiro e o Grau do Ébano. Ao completar 21 anos, o DeMolay torna-se Sênior DeMolay, e passa a atuar nos Colégios Alumni, onde apenas seniores DeMolays participam.

Hierarquia organizacional

Cada capítulo possui um Conselho Consultivo, formado por maçons e seniores DeMolays. A função desse conselho é a de fiscalizar e aconselhar os rapazes em suas tarefas. Para que cada capítulo possa funcionar é necessário o patrocínio de um corpo maçônico.


A Ordem DeMolay possui uma hierarquia organizacional, tendo como órgão máximo o Supremo Conselho Internacional da Ordem DeMolay, com sede em Kansas, Missouri, nos EUA. Este órgão possui função judiciária e legislativa de nível internacional. Cabe a ele a autorização para fundação da Ordem em outros países. No Brasil, existe o Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil, com sede em Brasília, o qual possui as mesmas competências do internacional, em nível nacional. Em cada estado da federação existe um Grande Conselho que possui autonomia relativa sobre os Capítulos de sua jurisdição. O Grande Conselho não possui sede fixa; a cada troca de gestão é firmada a sede na cidade de residência do Grande Mestre Estadual.


A Ordem DeMolay é uma organização dedicada a preparar os jovens a levar uma vida mais próspera, feliz e produtiva, sob o aconselhamento de maçons. Liderança, cidadania consciente, responsabilidade e desenvolvimento do caráter são aprendidos através de uma variedade de caminhos, um mundo real de aplicações e atividades. Ser DeMolay é sinônimo da construção de confiança, ensinamentos de responsabilidade, cooperação e serviço comunitário, além de fortalecer o respeito, o companheirismo, o patriotismo, a reverência e a compaixão.

Orientação aos inexperientes

Após atingir os 21 anos, o jovem não ocupa mais cargo no Capítulo, mas pode continuar participando das reuniões, bem como orientar os jovens. O administrador e coordenador de estágios Jardson Pires, 26, é natural da cidade de Cáceres (MT) e tem nove anos de Ordem. Conta que foi iniciado no capítulo Alexandre Carlos Pierre nº 308 de sua cidade natal, porém vindo para Rio Grande a estudo, procurou saber se aqui existia a Ordem para, assim, continuar a fazer parte das reuniões.
"Assim que cheguei em Rio Grande liguei para o Conselho de Brasília, que encaminhou-me para a Ordem daqui. Fui superbem recebido, e isso me encanta. Toda minha vida dentro da Ordem foi praticamente construída aqui na cidade, onde por sinal já fui também Mestre Conselheiro", completa ele, que hoje ostenta o Grau do Ébano.

Uma década de boas ações

Em Rio Grande, as atividades da Ordem começaram em meados de 1996, quando alguns jovens rio-grandinos foram iniciados no Capítulo Pelotas nº 03 graças ao esforço de alguns maçons que sempre foram entusiastas dessa sociedade. Dois anos depois, mais de 25 jovens rio-grandinos já haviam sido iniciados na Ordem DeMolay. E então oPelotas nº 03 pôde, nas dependências da Loja Simbólica União Constante, proferir a Cerimônia Magna de Instalação do Capítulo Rio Grande Nº 354 da Ordem DeMolay para o Brasil.


A partir desta data, a unidade rio-grandina não parou mais de se desenvolver - hoje ela é reconhecida na comunidade atuando nos meios sociais e ajudando a um número cada vez maior de jovens a levar uma vida de moral e limpidez.


No dia 1º de agosto, o Capítulo Rio Grande comemora seus dez anos de fundação. Durante essa década, quase 200 jovens rio-grandinos e de outras cidades formaram o quadro do Capítulo, sempre buscando na caridade e humildade o seu aperfeiçoamento como adultos. Atualmente a administração estadual da Ordem encontra-se concentrada nos membros do Capítulo Rio Grande Nº 354, tendo o Grande Mestre Estadual, e parte de sua administração, composta por DeMolays da cidade, bem como o Mestre Conselheiro Estadual e o Presidente da Associação Alumni do RS.


"Quando um jovem entra na Ordem DeMolay por curiosidade, já começa errado", declara o bageense Vitor Mendes Magalhães, 22. O analista de sistemas conta que foi indicado em sua cidade natal, porém iniciou em Rio Grande, onde veio estudar. Há quatro anos na Ordem, ele explica que os maçons são considerados "tios" do jovem DeMolay, pois são eles os responsáveis por emprestar a casa maçônica para o encontro dos jovens, como também toda a ajuda financeira. "O que mais me chama atenção em ser DeMolay são a fraternidade e a filantropia que vivemos e presenciamos. Somos irmãos e nos tratamos como tal, e isso é extremamente importante, pois gera respeito e admiração pelo próximo", conta ele, que também é maçom.

As reuniões acontecem na Loja Maçônica Acácia Rio-grandense, uma das patrocinadoras da Ordem e localizada na rua Conde de Porto Alegre.

Membros ilustres

A Ordem DeMolay destaca-se por ser a segunda maior organização juvenil do mundo, ficando atrás apenas dos escoteiros. O nome DeMolay provém do último Grão-Mestre dos Cavaleiros Templários, chamado Jacques DeMolay, que nasceu em Vitrey, Condado de Haute-Saône, França no ano de 1244. Aos 21 anos, DeMolay juntou-se à Ordem dos Cavaleiros Templários e no ano de 1298 tornou-se Grão Mestre da Ordem do Templo, posto que o colocava acima do rei francês.

A Associação de Seniores DeMolay, chamada de Alumni, inclui membros como Walt Disney, Bill Clinton e muitos outros. No Brasil, a sociedade também já produziu diversos líderes se destacando, como líderes políticos, comunitários, empresários e atletas - todos eles falam eloqüentemente do benefício do seu envolvimento com a organização.

Daiane Roldão

fonte: http://edicoesanteriores.jornalagora.com.br/site/index.php?caderno=51&noticia=51227

Translate